TESES

Mestrado e Doutorado

Cantos da memória diaspórica:

representações, (des)identificações e

performances de Mishima a Okinawa

Tese de doutorado defendida por VITORU,

no Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais da Unicamp.

http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/281248

Resumo: Esta tese propõe reflexões e ações em torno de representações, (des)identificações e performances que atravessam e são atravessados por questões de gênero, sexualidade e nação numa economia (geo)política da cultura marcada por relações de poder. Inspirada em saberes queer descoloniais, a pesquisa parte de um estudo da obra/vida do escritor japonês Yukio Mishima, que cometeu harakiri em 1970, e de cantos da memória da diáspora okinawana, para problematizar narrativas oficiais da história, especialmente do Japão do pós-guerra. Além disso, realiza uma narrativa autoetnográfica, procurando colocar em evidência a contemporaneidade do "problema" okinawano, bem como limites e paradoxos de processos de identificação de sujeitos diaspóricos. Experimentando o corpo como meio de investigação e enunciação, esta tese busca também práticas transdisciplinares de pesquisa e ação entre as Ciências Sociais e as Artes Performativas.

Esboços de uma sociologia do conhecimento da questão ambiental: concepções de sustentabilidade e produção acadêmica brasileira. Uma análise da base Scielo

Dissertação de Mestrado defendida por VITORU
no Programa de Pós-Graduação em Sociologia da Unicamp

http://www.bibliotecadigital.unicamp.br/document/?code=000779659


Resumo: A questão da sustentabilidade tem se estabelecido desde as últimas décadas como um dos principais desafios do século XXI. Cada vez mais presente nos discursos de governos, organismos internacionais, empresários, partidos políticos, mídia, ONGs e movimentos sociais, tem também sido internalizada no campo científico, apropriada e teorizada por cientistas de diversas áreas do saber e com os mais distintos vieses teórico-políticos. Com isso em vista, esta dissertação problematiza a discussão científica sobre sustentabilidade por meio de uma sociologia do conhecimento da questão ambiental. A partir de revisão bibliográfica, propõe concepções expressivas de sustentabilidade total e equaciona o problema da origem das divergências sobre o tema pelo conceito mannheimiano de perspectiva. Para isso, além de uma breve discussão teórica em torno da sociologia do conhecimento, o trabalho reconstrói a lógica argumentativa de cada concepção de sustentabilidade, identificando suas bases teóricas e elementos característicos. Nesse sentido, seis concepções de sustentabilidade total são propostas: a) ecoeficiência; b) decrescimento, c) condição estacionária; d) ecodesenvolvimento; e) ecossocialismo; f) sociedade do risco. Além disso, a pesquisa inclui uma análise empírica de artigos sobre sustentabilidade indexados na base Scielo Brasil. Combinando métodos quantitativos e qualitativos (análise de conteúdo), o objetivo da investigação empírica foi, a título de exercício intelectual, compreender como os acadêmicos brasileiros tendem a se apropriar do termo e do tema da sustentabilidade. Os resultados da pesquisa empírica mostram que existe uma quantidade crescente de artigos sobre o tema sendo publicados no Brasil. Essa produção é feita por cientistas de diversas áreas do saber e tem influências das várias concepções de sustentabilidade construídas, com certa predominância das concepções da ecoeficiência e do ecodesenvolvimento. A pesquisa foi realizada no contexto do Projeto Temático FAPESP (Processo 05/52317- 1) - vinculado ao Núcleo de Estudos e Pesquisas Ambientais (NEPAM) da UNICAMP - cujo objetivo foi desenvolver uma "sociologia da questão ambiental, da interdisciplinaridade e das mudanças ambientais globais", investigando se há especificidades de internalização da temática ambiental nas ciências sociais latinoamericanas, decorrentes das características socioambientais peculiares ao subcontinente.